Alexandre Suaiden 02 (Tasha)
Bruna Toscano 08 (Bubu)
Bruno Gotti 09 (Gotti)
Emanuela Neves 17 (Manu)
Pedro La Rosa 36 (Pet)
Yasmin Kalume 46 (Yas)


Análise da obra Os Sapos




Os Sapos

Enfunando os papos,

Saem da penumbra,

Aos pulos, os sapos.

A luz os deslumbra.



Em ronco que aterra,

Berra o sapo-boi:

- "Meu pai foi à guerra!"

- "Não foi!" - "Foi!" - "Não foi!".



O sapo-tanoeiro,

Parnasiano aguado,

Diz: - "Meu cancioneiro

É bem martelado.



Vede como primo

Em comer os hiatos!

Que arte! E nunca rimo

Os termos cognatos.



O meu verso é bom

Frumento sem joio.

Faço rimas com

Consoantes de apoio.



Vai por cinquüenta anos

Que lhes dei a norma:

Reduzi sem danos

A fôrmas a forma.



Clame a saparia

Em críticas céticas:

Não há mais poesia,

Mas há artes poéticas..."



Urra o sapo-boi:

- "Meu pai foi rei!"- "Foi!"

- "Não foi!" - "Foi!" - "Não foi!".



Brada em um assomo

O sapo-tanoeiro:

- A grande arte é como

Lavor de joalheiro.



Ou bem de estatuário.

Tudo quanto é belo,

Tudo quanto é vário,

Canta no martelo".



Outros, sapos-pipas

(Um mal em si cabe),

Falam pelas tripas,

- "Sei!" - "Não sabe!" - "Sabe!".



Longe dessa grita,

Lá onde mais densa

A noite infinita

Veste a sombra imensa;



Lá, fugido ao mundo,

Sem glória, sem fé,

No perau profundo

E solitário, é



Que soluças tu,

Transido de frio,

Sapo-cururu

Da beira do rio...



A
Semana de Arte Moderna foi um marco na literatura, na história e na arte brasileira. Ocorrida entre os dias 11 e 18 de fevereiro de 1922, a semana foi marcada pela ousadia e pela inovação dos grandes artistas da época, como Anita Malfatti, Mario de Andrade, Oswald de Andrade e Victor Brecheret.
B
uscando quebrar com os valores antigos e as estéticas passadas, como o parnasianismo, que procurava a estética da perfeição, Manuel Bandeira, propôs aos artistas a liberdade poética diminuindo o estrangeirismo e aumentando, dessa forma, o nacionalismo juntamente com a cultura brasileira. Com essa linha de pensamento, escreveu e lançou um poema até hoje analisado como uma marca dessa semana, chamado de Os Sapos.
Analisando o poema, podemos perceber os seguintes aspectos:
  1. 1. Ao iniciar o poema, Manuel Bandeira critica fortemente aos valores parnasianos e os vocábulos rústicos como pode analisar na oração “Enfunando os papos”. E continua fortemente, criticando a estética, mostrando e ironizando o modo perfeito de se fazer a arte. Como apresentado nos versos:
“Vede como primo

Em comer os hiatos!

Que arte! E nunca rimo

Os termos cognatos.


  1. 2. Há verificação da crítica às rimas parnasianas, como é ocorrido com as palavras primo, rimo, hiatos, cognatos. Critica fortemente as rimas, já que pela literatura clássica é considerada como pobre, não rica, sendo que as palavras não pertencem à mesma classe gramatical.
  2. 3. Manuel busca no poema ressaltar e valorizar objetos, até então na estética parnasiana, considerados inúteis, descrevendo estes de uma forma singela em sua poesia.
“Brada em um assomo

O sapo-tanoeiro:

- A grande arte é como

Lavor de joalheiro.”
  1. 4. O poeta faz uso de aliterações e assonâncias ao decorrer do poema, como no uso do “p” e “b” e “u” e “a”. E com um jogo de palavras, faz com que o uso das expressões “Não foi – Foi – Não foi” faça parecer com o coaxar dos sapos.
  2. 5. O poema, na sua estrutura, apresenta redondilhas menores e o uso de sonetos, críticas feitas à estética parnasiana.
  3. 6. Há uma crítica internalizada, na última estrofe, a cultura popular brasileira, sendo feita em quartetos, já que esse modo de escrita é popular, indo contra os princípios parnasianos.
“Que soluças tu,

Transido de frio,

Sapo-cururu

Da beira do rio...”
D
este modo, podemos concluir que o poema faz uma forte crítica a cultura parnasiana e aos valores estéticos clássicos. Mas vale ressaltar que, todas essas críticas não serão bem vistas pela sociedade, sendo todos os artistas muito criticados durante e após a Semana de Arte Moderna.

Gotti



Literatura

A Semana de Arte Moderna foi um marco na literatura, arte e história da cultura brasileira. Quebrando com os paradigmas criados pelo tradicionalismo, até então, valorizado pelos artistas das estéticas passadas, a evento contou com Mario de Andrade, Anita Malfatti, Oswald Andrade, entre outros.
O evento ocorreu com a intenção de modificar e quebrar com paradigmas, que até então, na literatura, eram considerados padrões. Um dos poemas lançados na semana, que pode servir de exemplo, é “Os Sapos”, o qual Manuel Bandeira escreveu e promoveu a crítica aos costumes parnasianos, buscando a perfeição, que ao decorrer do poema, mostrou a sua clara indignação. Outras obras apresentadas na semana de 22 foram: "Brasil", de Oswald de Andrade e "Beleza", de Menotti Del Picchia.

Houve influência das vanguardas modernistas, vanguardas europeias, que durante esse período, foram a base para que esse movimento ocorresse. Vale ressaltar que, o Brasil era um país conservador, e que a escolha de São Paulo para sediar esse evento, foi pelo fato de que, até então, era a cidade menos cultivadora de estéticas antigas. São Paulo abrigava um grande número de imigrantes e visitantes de outros países. As vanguardas que mais influenciaram foram: Cubismo, Futurismo, Surrealismo, Dadaísmo e Expressionismo.
Logo após, os artistas começaram a perceber que a liberdade de escrita não estava relacionada com modelos estéticos ou com redondilhas que, até então, eram cobradas da sociedade. Dessa forma, ao criar, cada artista obteve um padrão de autonomia, que foi desenvolvido e, cada vez mais, foi aumentando o número de escritores que adotavam esse padrão.


Por Bubu, Gotti, Pet, Tasha e Yas.





sdam.png
Para assistir ao vídeo clique aqui.
Por Bubu, Manu, Pet, Tasha e Yas. Edição por Bubu.



cubismoo.png
impressionismoo2.png









Bibliografia

//http://pt.wikipedia.org/wiki/Pr%C3%A9lude_%C3%A0_l'apr%C3%A8s-midi_d'un_Faune//

BENNET, Roy. Uma Breve História da Música.

//http://www.sinfonicaderibeirao.org.br/pagina_extra.php?id=102//


Bibliografia

BENNET, Roy. Uma Breve História da Música.

http://pt.wikipedia.org/wiki/La_mer
http://www.bbc.co.uk/music/reviews/xjqv


Bibliografia

http://classicalmusic.about.com/od/romanticperiod/a/suitebergamasqu.htm






Fonte das imagens:

Semana de arte moderna“Fabrica en Horta de Ebro”“Les demoiselles d’Avignon"“La guitare”