Grupo 6_G
Luca Brisolla - 26
Ney Gabriel - 37
Artur Victor - 04
Guilherme Costa -

ARTES VISUAIS -
O Surrealismo destacou-se nas artes visuais e plásticas, principalmente em quadros, produções literárias e esculturas que se baseavam em expressar o inconsciente dos artistas, fugindo das amarras do pensamento racional.
Foi através da pintura que as idéias do surrealismo foram melhor expressadas. Através da tela e das tintas, os artistas plásticos colocam suas emoções, seu inconsciente e representavam o mundo concreto. O movimento artístico dividiu-se em duas correntes. A primeira, representada principalmente por Salvador Dalí, trabalha com a distorção e justaposição de imagens conhecidas. Sua obra mais conhecida neste estilo é A Persistência da Memória. Nesta obra, aparecem relógios desenhados de tal forma que parecem estar derretendo.
Os artistas da segunda corrente libertam a mente e dão vazão ao inconsciente, sem nenhum controle da razão. Joan Miró e Max Ernst representam muito bem esta corrente. As telas saem com formas curvas, linhas fluidas e com muitas cores. O Carnaval de Arlequim e A Cantora Melancólica, são duas pinturas de Miró que representam muito bem esta vertente do surrealismo.

00002.jpg

surrealismo01.jpg

kjjkk.jpg

Características

- Valoriza a intervenção fantasiosa na realidade;
- Ressalta o automatismo contra o domínio da consciência;
- As formas da realidade são completamente abandonadas.
- Explorar o inconsciente, o sonho, a loucura; aproximar-se de tudo que fosse antagônico à lógica e estivesse fora do controle da consciência.

PORTUGUÊS -



Semana de Arte Moderna

Foi um evento de música, dança, poesia e artes plásticas que inaugurou um novo movimento cultural no Brasil: o Modernismo. Há exatos 92 anos, a elite cafeicultora paulista alugou o Teatro Municipal de São Paulo, pelo equivalente a R$ 20 mil, para receber um novo tipo de arte, fortemente influenciada pelas vanguardas europeias e que refletia o progresso e a industrialização que a cidade vivia naquele momento. Até então, o Rio era considerado a capital cultural do país. A elite acabou não entendendo completamente a proposta do evento, pelo contrário, ficaram perdidos com as apresentações e as críticas foram terríveis (atingindo o objetivo dos vanguardistas que era chocar a população), mas ele influenciou definitivamente os rumos culturais brasileiros.
A Semana, de uma certa maneira, nada mais foi do que uma ebulição de novas ideias totalmente libertadas, nacionalista em busca de uma identidade própria e de uma maneira mais livre de expressão. Não se tinha, porém, um programa definido: sentia-se muito mais um desejo de experimentar diferentes caminhos do que de definir um único ideal moderno. Vale ressaltar, que a Semana em si não teve grande importância em sua época, foi com o tempo que ganhou valor histórico ao projetar-se ideologicamente ao longo do século. Devido à falta de um ideário comum a todos os seus participantes, ela desdobrou-se em diversos movimentos diferentes, todos eles declarando levar adiante a sua herança.

MÚSICA


Música Impressionista:

Música impressionista é o nome dado ao movimento da música clássica europeia que surgiu no fim do Século XIX e continuou até o meio do século XX. Originando-se na França, a música impressionista é caracterizada por sugestão e atmosfera. Os compositores impressionistas preferiam composições com formas mais curtas, tais como o nocturne, arabesque, e o prelúdio; além disso, frequentemente exploravam escalas, como a escala hexafônica ou também chamada de tons inteiros

A música impressionista rege o abandono da música tonal. Isto significa que as composições não seriam mais estruturadas conforme a eleição de uma das doze notas da escala (sete básicas e as restantes semitons). A novidade estava na sustentação a partir de escalas modais, que eram compostas de acordo com recombinações de conjuntos de notas escolhidas. Esta se tornaria a base das melodias impressionistas que, além de tudo, acabariam sendo influenciadas por técnicas orientais, pela música popular européia e por elementos medievais.
O fim do movimento impressionista na música foi marcado com Prelúdio para a tarde de um Fauno, composta por Debussy. Esta obra busca ilustrar um poema do poeta simbolista Stéphane Maallarmé.


Obra: La Mer
Compositor: Claude Debussy
Ano:1905


La Mer é uma peça sinfônica composta por Claude Debussy, em 1905, e considerada uma obra-prima da orquestração.
É considerada a obra-prima do autor, que com ela revolucionou a maneira de compor e dispor dos elementos da orquestra em uma peça. No plano da harmonia, ela também foi revolucionária, já que ao fugir da tonalidade tradicional o autor criou um novo universo harmônico, empregando modos e escalas antigas e não europeias. A peça não se prende a qualquer estrutura formal e utiliza novas concepções rítmicas para a época.
A partitura da música requer os seguintes componentes orquestrais: duas flautas, um flautim, dois oboés, um corne-inglês, dois clarinetes, quatro trompas, três trombetas, três fagotes, duas cornetas de pistão, três trombones, uma tuba, instrumentos de percussão, duas harpas e instrumentos de cordas (violinos, violas, violoncelos, contra-baixos ).


http://www.youtube.com/watch?v=FOCucJw7iT8&feature=kp

Obra: Suite Bergamasque
Compositor: Claude Debussy
Ano:1903
A Suite bergamasque (IPA: /'bɛʀgamask/) é uma famosa suíte para piano da autoria do compositor francês Claude Debussy..
É composta por quatro partes ou movimentos.
1. Prélude
2. Menuet
3. Clair de lune
4. Passepied
O terceiro movimento da Suite bergamasque é o mais conhecido, intitulado "Clair de lune", luar em língua francesa, muitas vezes ouvido em filmes e programas de televisão. A dinâmica predominante é o pianíssimo e a tonalidade é Ré-bemol maior, com a exceção do climax em que a tonalidade é modulada para Mi maior

http://www.youtube.com/watch?v=dBVLdqSK2Ns

Obra: Bolero
Compositor: Ravel
Ano: 1928
Bolero é uma obra do francês Maurice Ravel (1875-1937) escrita sob encomenda para a dançarina Ida Rubinstein. Foi criada como um balé e assim teve sua estreia, em 1928.
Hoje em dia, porém, ela é raramente apresentada com dança; o mais comum é ouvi-la em salas de concerto.
A proposta de Bolero é bastante audaciosa: uma melodia em duas partes, aqui chamadas de “A” e “B”, repete-se várias vezes trocando apenas de instrumentação, indo de pianissimo a fortissimo num longo crescendo. A cada repetição da melodia, um novo instrumento assume a parte do solo. Alguns dos instrumentos presentes na obra são:Flauta,clarinete,fagote,oboé,trompete,saxofone,trompa,tombone,violino e bumbo.

http://www.youtube.com/watch?v=AmEJLoawItU

cênicas e historia -




hist -
A Semana, realizada entre 11 e 18 de fevereiro de 1922, foi a explosão de idéias inovadoras que aboliam por completo a perfeição estética tão apreciada no século XIX. Os artistas brasileiros buscavam uma identidade própria e a liberdade de expressão; com este propósito, experimentavam diferentes caminhos sem definir nenhum padrão. Isto culminou com a incompreensão e com a completa insatisfação de todos que foram assistir a este novo movimento. Logo na abertura, Manuel Bandeira, ao recitar seu poema Os sapos, foi desaprovado pela platéia através de muitas vaias e gritos.
Embora tenha sido alvo de muitas críticas, a Semana de Arte Moderna só foi adquirir sua real importância ao inserir suas idéias ao longo do tempo. O movimento modernista continuou a expandir-se por divulgações através da Revista Antropofágica e da Revista Klaxon, e também pelos seguintes movimentos: Movimento Pau-Brasil, Grupo da Anta, Verde-Amarelismo e pelo Movimento Antropofágico.
Todo novo movimento artístico é uma ruptura com os padrões utilizados pelo anterior, isto vale para todas as formas de expressões, sejam elas através da pintura, literatura, escultura, poesia, etc. Ocorre que nem sempre o novo é bem aceito, isto foi bastante evidente no caso do Modernismo, que, a principio, chocou por fugir completamente da estética européia tradicional que influenciava os artistas brasileiros.