Grupo 5_H
Alice Soares-2
Camila Lopes-6
Gabriela Brilhante-11
João Pedro Dantas-15
Mateus Passador-28
Pedro Passador-31

Parte 1

História A1



Nos anos vinte a sociedade brasileira viveu um período de grandes transformações. O ano de 1922 ocorreu a semana de arte moderna, a criação do Partido Comunista, o movimento tenentista, a comemoração do centenário da Independência esses fatos foram indicadores importantes para a nova identidade brasileira.

Do ponto de vista econômico nos primeiros anos da década de 20 houve o declínio dos preços internacionais do café. Gerando alta da inflação e uma crise fiscal sem precedentes. Após os primeiros momentos de dificuldades, o país entrou em um processo de crescimento pois aconteceu a diversificação da agricultura, um maior desenvolvimento das atividades industriais, a expansão de empresas já existentes e o surgimento de novos estabelecimentos ligados a indústria de base, foram importantes sinais do processo de complexificação pelo qual passava a economia brasileira esse crescimento se manteve até a Grande Depressão em 1929.

Ocorreu o crescimento dos setores urbanos com o crescimento das camadas médias, da classetrabalhadora estimulando a alterações no quadro político vigente colocando em questionamento as bases do sistema oligárquico da Primeira República.


Parte 2

Artes Visuais A1

Dadaísmo - Apresenta-se como um movimento de crítica cultural mais ampla, que interpela não somente as artes, mas modelos culturais passados e presentes. Trata-se de um movimento radical de contestação de valores que utiliza variados canais de expressão: revista, manifesto, exposição e outros. As manifestações dos grupos dada são intencionalmente desordenadas e pautadas pelo desejo do choque e do escândalo, procedimentos típicos das vanguardas de modo geral. Surge com a clara intenção de mudar os sistemas e códigos estabelecidos no mundo da arte, ou seja mudar o tradicional. Trata-se, portanto, de um movimento antipoético, antiartístico, antiliterário, visto que questiona até a existência da arte, da poesia e da literatura.

O termo dada é encontrado por acaso numa consulta a um dicionário francês. "Cavalo de brinquedo", sentido original da palavra, não guarda relação direta, nem necessária, com bandeiras ou programas, daí o seu valor: sinaliza uma escolha aleatória (princípio central da criação para os dadaístas), contrariando qualquer sentido de eleição racional.

O dadaísmo questiona o conceito de arte antes da I grande guerra mundial.



NEGA:
- A razão
- A arte tradicional;
- A literatura tradicional.
PROCLAMA:
- A espontaneidade
- O acaso
- A dúvida


external image images?q=tbn:ANd9GcTbBXHZs59UCMTMrecUDMhsbdbbUg7hGUZXQdcPG9DAHJ06bj2bzw

Marcel Duchamp, "A roda"(1913)


“Ready-made” de Marcel Duchamp (1887 a 1968)
Constituem manifestação cabal de um espírito que caracteriza o dadaísmo. Ao transformar qualquer objeto escolhido ao acaso em obra de arte, Duchamp realiza uma crítica radical ao sistema da arte. Assim, objetos utilitários sem nenhum valor estético em si são retirados de seu contexto original e elevados à condição de obra de arte ao ganhar uma assinatura e um espaço de exposição, museu ou galeria. Na obra de Duchamp, "a roda", é característico do Ready made, onde um banco, para sentar, e uma roda de bicicleta, juntos formam uma obra de arte que desafia e contradiz o conceito de arte.






- Duchamp, Fonte, 1917
dadaismo1.jpg
dadaismo1.jpg
A fonte é um urinol de porcelana branca, considerado uma das obras mais expressivas do dadaísmo na França, criada em 1917, sendo uma das mais notórias obras do artista Marcel Duchamp.A arte do urinol rompia com as ideias das obras que vinham anteriormente por isso marcou o inicio do dadaísmo.


Man Ray, "Presente" (1921)

external image 113%2529_AULA_2_-_DADAISMO_Man_Ray_Ferro_de_passar_1921.jpg O ferro é utilizado para desamaçar as roupas, já a obra ao lado possui pregos, sendo assim a roupa será rasgada,sendo o oposto do objetivo do ferro tradicional. Assim, negando a razão.

Artes Cênicas B1




Música C1

NEOCLASSICISMO


Estilo de música do século XX onde era caracterizado por forte crítica e oposição ao romantismo tardio. O romantismo tardio era composto por texturas pesadas, sem clareza, congestionadas, e que exigia grande número de participantes para executá-la. Já o neoclassicismo substituiu essas texturas pesadas, por uma clareza de linhas e texturas características de músicas anteriores ao período romântico. A música neoclássica não transmitia as emoções dos compositores. O neoclassicismo na verdade era a junção, e reelaboração dos estilos anteriores ao século XIX, onde eles redescobriram o concerto grosso, a fuga, a tocata. Mas como se trata de um estilo moderno, ele teve inovações, onde os compositores, faziam melodias e harmonias ousadas, introduziam notas para acabar com a sequência melódica, fazendo parecer que o músico errou na hora de tocar a mesma, usavam modulações novas, e o uso da politonalidade. As texturas eram quase sempre polifônicas, com dissonâncias no meio. Já a orquestra neoclássica, era reduzida, mas com instrumentos com grande contraste de timbre.


A história do soldado- Igor Stravinsky 1918

http://youtu.be/av--HQFxh_U

http://www.youtube.com/watch?v=7rFJ_u4ZhkE


A História do Soldado é uma obra inspirada num conto popular russo. Esta obra conta-nos a história de um Soldado que volta da guerra e que vem a seguir o seu caminho de regresso a casa quando se encontra com uma pessoa disfarçada que é o diabo que, a todo o custo, tenta apoderar-se do violino que o soldado transporta, pois esse instrumento musical representa a sua alma. Para conseguir o que pretende o diabo oferece-lhe em troca um livro mágico que permitiria ao soldado a realização de todos os seus desejos pessoais.


Caracterizando as personagens principais: por um lado, o violino é o instrumento musical mais importante deste conjunto talvez pela sua importância melódica e solista, mas também pelo que representa em termos dramatúrgicos – a alma do soldado – que o diabo tenta obter a todo o custo; por outro lado, o diabo é caracterizado pelos tambores ou pela maioria da percussão, quando este está prestes a entrar em cena ou mesmo quando já esta presente em palco.

A obra foi feita na época da primeira guerra mundial, e por esse motivo Stravinski, acaba criando um novo estilo dentro das Vanguardas, um estilo musical inspirado no Classicismo, onde havia poucas pessoas na instrumentação, criando melodias claras, e o uso de texturas leves, mas percebe-se que no meio da obra, as vezes apresenta uma certa dissonância entre os sons, que é uma característica do neoclassicismo.

BACHIANAS BRASILEIRAS HEITOR VILLA LOBOS, NUMERO 1 (1932)



http://www.youtube.com/watch?v=fL3rH0tCsJ

As "Bachianas Brasileiras" foi um conjunto de obras feitas por Heitor Villa-Lobos, onde apresenta mais de mil músicas. A obra "Bachianas número 1" foi feita, junto com as outras 8 obras, com inspiração de Bach com a mistura de músicas folclóricas do sertão nordestino.
A "Bachianas número 1" foi composta em 1930, para ser tocada por 8 violoncelos, e essa é uma característica que se assemelha ao neoclassicismo de Stravinsky onde as obras são feitas para serem tocadas por poucas pessoas, pela escassez de músicos por causa das Guerras. Outra característica marcante que faz essa ser uma obra neoclássica, é o fato de se inspirar na música clássica de Bach, grande compositor barroco. E essa inspiração no "clássico", período anterior ao romantismo, é fundamental, pois aí é aonde os compositores tem suas ideias melódicas para as obras.
Como é uma obra feita para os mesmos instrumentos, a diferença de timbre, não fica visível, mas mesmo assim permite que durante a obra enquanto um está tocando no grave outro esteja no agudo. Essa variação de sons é característico do período moderno que queria acabar com as linha melódicas lineares, e queria a mudança para linhas melódicas distintas.

Pulcinella, Igor Stravinsky:

http://youtu.be/ycOatuaQmbs
http://www.youtube.com/watch?v=ycOatuaQmbs

"Pulcinella" é um balé de Igor Stravinsky onde estreou na Ópera de Paris em 15 de maio de 1920. Relembrando que neoclassicismo foi um estilo de música do século XX que fazia forte reaçāo ao romantismo tardio temos a obra de Stravinsky com características marcantes desse deste estilo
Primeiramente observamos a orquestra que torna-se menor e com instrumentos com fortes contrastes de timbre, logo depois percebemos a textura que se torna polifônica, o que evidencia o neoclássico. Pulcinella foi baseado em melodias de compositores barrocos, sobretudo de Pergolesi. .

Parte 3

Português

Manuel Bandeira(1918)

Os Sapos


https://www.youtube.com/watch?v=Qdqfh5bX89Q


Enfunando os papos,

Saem da penumbra,

Aos pulos, os sapos.

A luz os deslumbra.


Em ronco que aterra,

Berra o sapo-boi:

- "Meu pai foi à guerra!"

- "Não foi!" - "Foi!" - "Não foi!".


O sapo-tanoeiro,

Parnasiano aguado,

Diz: - "Meu cancioneiro

É bem martelado.


Vede como primo

Em comer os hiatos!

Que arte! E nunca rimo

Os termos cognatos.


O meu verso é bom

Frumento sem joio.

Faço rimas com

Consoantes de apoio.



Vai por cinquüenta anos

Que lhes dei a norma:

Reduzi sem danos

A fôrmas a forma.



Clame a saparia

Em críticas céticas:

Não há mais poesia,

Mas há artes poéticas..."



Urra o sapo-boi:

- "Meu pai foi rei!"- "Foi!"

- "Não foi!" - "Foi!" - "Não foi!".



Brada em um assomo

O sapo-tanoeiro:

- A grande arte é como

Lavor de joalheiro.


Ou bem de estatuário.

Tudo quanto é belo,

Tudo quanto é vário,

Canta no martelo".



Outros, sapos-pipas

(Um mal em si cabe),

Falam pelas tripas,

- "Sei!" - "Não sabe!" - "Sabe!".


Longe dessa grita,

Lá onde mais densa

A noite infinita

Veste a sombra imensa;


Lá, fugido ao mundo,

Sem glória, sem fé,

No perau profundo

E solitário, é


Que soluças tu,

Transido de frio,

Sapo-cururu

Da beira do rio.



external image 1268268707.gif

Análise do poema-

A semana de arte moderna propunha um esclarecimento quanto a identidade nacional, onde um grupo de artistas sentia a necessidade de abandonar os antigos valores clássicos. Eles queriam que houvesse liberdade aos poetas, músicos, escultores de um modo que a arte Brasileira valorizasse o que tem de melhor, sem buscar modelos estrangeiros.

O poema de Manuel Bandeira faz uma crítica ao estilo parnasiano, ressalta essa estética de forma sarcástica, ele ironiza o modo perfeito de se fazer arte.

O poeta utiliza de aliterações, assonâncias e onomatopeias que remetem aos sons que os sapos fazem, utiliza também a personificação ao atribuir características humanas aos sapos ( berra o sapo boi, falam pelas tripas). As sílabas poéticas são compostas de uma forma mais simples e isso para o parnasiano era inaceitável, era uma construção estranha para a época, já que eles eram a favor da sofisticação e não da simplicidade.




external image shim.gif

external image logo_semana.gif

external image cartaz_semana22.jpg
Captura de Tela 2014-04-14 às 19.51.52.png


A Semana de Arte Moderna ocorreu em 1922, nos dias 13, 15, 17 de fevereiro no Teatro Municipal em Sāo Paulo, com o um grande objetivo, chocar!

Este evento artístico e cultural teve o pintor Di Cavalcanti como idealizador, e um grupo de contestadores na participaçāo: do poeta Oswald de Andrade, o poeta Mario de Andrade, a pintora Anita Malfatti, o músico Vila Lobos, entre outros artístas

Os artistas brasileiros queriam uma arte "mais brasileira", buscavam uma identidade própria, e para isso, usaram o argumento de utilizar o modernismo que se passava na Europa para a criaçāo de uma arte nacional ( Antropofagia). A Semana de Arte Moderna chocou aqueles adeptos a estética tradicional que sempre havia sido seguida no Brasil, para causar esse estranhamento nas pessoas que visitaram o evento, os artístas usufruiram de poemas modernos como "Os sapos" de Manoel Bandeira que criticava os padrões parnasianos, pinturas e músicas.

Para divulgar seus ideais modernistas de ruptura com o passado, foram criadas revistas e movimentos como : Revista Antropofágica, Revista Klaxon, Movimento Pau-Brasil, Grupo Anta, movimento Verde-Amarelismo, e Antropofágico.


FONTES:

Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil – CPDOC / FGV – www.cpdoc.fgv.br

FRITSCH, Winston. “1922: A Crise econômica.” In: Revista Estudos Histórico, Rio de Janeiro, vol. 6, n.o 11, 1993, p. 3-8.

http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/Antigos/D1922.htm

http://escola.britannica.com.br/article/483556/Semana-de-Arte-Moderna-de-1922

http://www.itaucultural.org.br/aplicexternas/enciclopedia_ic/index.cfm?fuseaction=termos_texto&cd_verbete=3651

http://www.mundoeducacao.com/literatura/dadaismo.htm

http://www.infoescola.com/artes/dadaismo/

http://www.fontedosaber.com/artes/sobre-o-dadaismo.html

Caderno de Música da Universidade de Cambridge, Umas breve história da música, Roy Bennett

http://educacao.uol.com.br/biografias/igor-stravinski.jhtm