GRUPO 5 A: 3° A

Ana Chein nº 01

João Vitor Alencar n° 22

Juliana Katalinic n°26

Marina Antonucci n°30

Roberta Baére n°38




1ª Parte: História

O contexto histórico da Europa e do Brasil à época do surgimento do Modernismo (Vanguardas e Semana de Arte Moderna) A1


a) Vídeo sobre os principais acontecimentos e as suas repercussões no Brasil:
https://www.youtube.com/watch?v=idCYUIRbxYE&feature=youtu.be

b) Resumo dos fatos:

O final do século 19 e começo do 20 foi uma época de fortes mudanças culturais e científicas, principalmente na Europa. No início do século 20, a febre das invenções varria a Europa, que estava em clima de contentamento diante dos progressos industriais, dos avanços tecnológicos, das descobertas científicas e médicas, como: eletricidade, telefone, rádio, telégrafo, vacina, os tipos sanguíneos, cinema, RX, submarino,criação da psicanálise,etc.Porém em 1914, ocorreu a primeira guerra mundial, como resultado de lutas imperialistas que ocorriam em várias partes do mundo, assim o homem mostrava que se era capaz de criar, também era capaz de destruir.
Em razão dos enormes problemas políticos internos, a Rússia retirou-se da guerra, e em 1917, com a introdução prática das ideias comunistas que Karl Marx havia divulgado , a revolução russa transformou profundamente as bases socioeconômicas do país. A abolição da propriedade privada, o fim dos privilégios da nobreza, deixou o país em uma crise de grandes proporções, mas que emergiu vitoriosa. Essa vitória contaminou o mundo e a propaganda comunista alcançou todos os países, mas só anos depois da revolução, criou-se no Brasil o Partido Comunista Brasileiro.
Em 1919, a primeira Guerra chega ao fim, e uma nova onda otimista invade a Europa.Acreditava-se que mais nenhuma catástrofe daquela proporção fosse ocorrer novamente. A década de 20 ficou conhecida como ‘’anos loucos’’, era o auge e o fim da chamada ‘’belle époque’’. O clima estava propício para o surgimento das novas concepções artísticas sobre a realidade,tais ideias constituíram o fundamento do que se convencionou chamar de Arte Moderna.
Essas ideias possuíam a ruptura com o passado, o desejo de chocar a opinião pública, a valorização da subjetividade artística,a busca de inovações formais cada vez mais radicalistas, a intenção de reproduzir esteticamente um mundo que se transformava rapidamente, a tentativa de responder à desintegração social provocada pela primeira guerra.
No Brasil,a questão da economia estava ligada a importação de manufaturados que se tornava cada vez mais difícil, fazendo com que a produção nacional tivesse a necessidade de produzir para auto abastecimento.E com o declinio da oligarquia cafeeira,o Brasil se viu diante da contingência de deixar de ser exportador de um único produto, para agilizar sua vida econômica.Essas modificações também colaboraram para uma transformação no quadro social brasileiro, a burguesia passou a ser a elite, trazendo consigo os valores modernistas europeus e participar ativamente da renovação das artes,e por outro lado o operariado embalado pelos ideias de teorias anarquistas,comunistas e sindicalistas,mostrava que estava em oposição ao modelo econômico que a indústria brasileira adotou.
O ano de 1917, tem especial importância a respeito das modificações da arte brasileira,pois foi quando se deu a primeira batalha pública, e os modernistas se viram envolvidos, pois a exposição de pintura de Anitta Malfatti havia sido duramente criticada por Monteiro Lobato, o que fez com que se levantassem vozes da vanguarda que até então agiam isoladamente. E ainda neste mesmo ano se deu o primeiro contato entre aqueles que seriam os pilares da arte moderna brasileira, como por exemplo, Mário de Andrade e Oswald de Andrade.
Com o clima de efervescência cultural na Europa,os artistas brasileiros decidiram seguir o exemplo de novas tendências que eram lançadas e divulgadas ,e como parte das comemorações do centenário da independência brasileira, então em fevereiro de 1922 aconteceu a Semana de Arte Moderna. Este acontecimento revolucionou a cultura brasileira pois houve um festival de apresentações de diversos artistas que rejeitavam toda e qualquer estética anterior para estabelecer de um ponto zero,os rumos da arte brasileira,visto que, essa inovação já acontecia na Europa. A reação do público foi a pior possível,com muitas vaias,vários artistas como Graça Aranha, Oswald de Andrade, Mário de Andrade, Manuel Bandeira, entre outros, apresentaram-se provocando reações de ódio e insatisfação.

2ª Parte: Artes


A1 - Artes Visuais



O SURREALISMO


O Surrealismo, seus antecedentes e surgimento:


O movimento do surrealismo surgiu na França na década de 1920. Este movimento foi fortemente influenciado pelas ideologias psicanalíticas de Freud, que mostram a importância do inconsciente na criatividade do ser humano e da livre associação dos sonhos trazido a realidade.
De acordo com Freud, o homem deveria libertar sua mente da racionalidade imposta pelos padrões morais e comportamentais impostos pela sociedade e das vazão aos sonhos e as informações do inconsciente. O pai da psicanálise, não seguia os valores sociais da burguesia, como o status, a família ou a pátria.


O que é o Surrealismo:

O surrealismo foi um movimento herdeiro do Dadaísmo, porém oferece uma proposta de liberdade realizável. A busca pelo bizarro, pela filosofia e psicologia dos sonhos, torna-o demasiadamente e excessivamente realista, ao ponto de tornar-se surreal, como uma utopia.

O marco de início do surrealismo foi a publicação do Manifesto Surrealista, feito pelo poeta e psiquiatra francês André Breton, em 1924. Neste manifesto, foram expostos todos os ideais e princípios do movimento, como a ausência da racionalidade, a exaltação de um mundo idealizado, onde a junção de elementos reais fazem das obras impossíveis de concretizar-se, cenas alucinatórias e disposição aleatór
"Tamanha é a crença na vida, no que a vida tem de mais precário, bem entendido, a vida real que afinal esta crença se perde... Se conservar alguma lucidez, não poderá senão recordar-se de sua infância, que lhe parecerá repleta de encantos, por mais massacrada que tenha sido com o desvelo dos ensinantes. Aí, a ausência de qualquer rigorismo conhecido lhe dá a perspectiva de levar diversas vidas ao mesmo tempo; ele se agarra a essa ilusão; só que conhecer a facilidade momentânea, extrema, de todas as coisas. Todas as manhãs crianças saem de casa sem inquietação. Está tudo perto, as piores condições materiais são excelentes. Os bosques são claros ou escuros, nunca se vai dormir...
Não é o medo da loucura que nos vai obrigar a hastear a meio-pau da bandeira da imaginação."



A Persistência da Memória - Salvador Dalí.
salvador_dali.jpg




A interpretação deste quadro mostra relógios que conotam dois significados distintos : – primeiro – a preocupação com a relatividade do tempo e do espaço(ambos maleáveis). Pode-se observar também isto na marcação das horas, que é diferente nos 3 relógios pintados e também na representação da mosca pousada no relógio maior(que figurativamente indica que o tempo voa).Pode-se notar também um contraste entre o macio e o duro (indicando sensualidade e erotismo) com as formigas representando decadência, atacando um dos relógios como se este fosse um produto orgânico indicando outro sinal da sexualidade inserida na obra, onde estas buscam saciar seus instintos.Neste seu quadro, Dali também representa a ciência moderna, fazendo referências à teoria da relatividade de Einsten e as teorias de Freud relativas ao inconsciente e aos sonhos.A paisagem de fundo do quadro representa Porto Lligat, localizado no norte de Espanha, (memória de infância de Dali).


Cisne Refletindo Elefantes - Salvador Dalí.



Salvador+Dali+-+Swans+Reflecting+Elephants+1937+.JPG




Cisnes Refletindo Elefantes (1937) é uma obra surrealista do espanhol Salvador Dali. Esta pintura concentra-se em um duplo imagem que faz com que os reflexos de cisnes em um lado para olhar como elefantes os cisnes pescoços e asas de assumir a aparência de troncos e ouvidos quando refletidas, enquanto o reflexo de uma árvore coberta costa atrás dos cisnes fornece os elefantes pernas e corpos. Para a esquerda é um autorretrato de Dalí de costas para o duplo imagem. Muitos de seus contemporâneos no momento gostava de brincar que Dali acrescentou-se de costas, com uma expressão sombria, para expressar sua frustração com o tipo de público do movimento surrealista estava atraindo.



A Criança Geopolítica Assistindo ao Nascimento do Novo Homem - Salvador Dalí.

Salvador Dalí.jpg



Cisnes Refletindo Elefantes (1937) é uma obra surrealista do espanhol Salvador Dali. Esta pintura concentra-se em um duplo imagem que faz com que os reflexos de cisnes em um lado para olhar como elefantes os cisnes pescoços e asas de assumir a aparência de troncos e ouvidos quando refletidas, enquanto o reflexo de uma árvore coberta costa atrás dos cisnes fornece os elefantes pernas e corpos. Para a esquerda é um autorretrato de Dalí de costas para o duplo imagem. Muitos de seus contemporâneos no momento gostava de brincar que Dali acrescentou-se de costas, com uma expressão sombria, para expressar sua frustração com o tipo de público do movimento surrealista estava atraindo.






B1 - Artes Cênicas


DADAÍSMO



O impacto causado pelo Dadaísmo justifica-se plenamente pela atmosfera de confusão e desafio à lógica por ele desencadeado. Opta por expressar de modo inconfundível suas opiniões acerca da arte oficial, e também das próprias vanguardas("sou por princípio contra o manifestos, como sou também contra princípios"). Dada vem para abolir de vez a lógica, a organização, a postura racional, trazendo para arte um caráter de espontaneísmo e gratuidade total. A falta de sentido, aliás presente no nome escolhido para a vanguarda.







C1: MUSICA



Neoclassicismo na música

O Neoclassicismo foi um movimento cultural nascido na Europa em meados do século XVIII, que teve larga influência na arte e cultura de todo o ocidente até meados do século XIX. Teve como base os ideais do Iluminismo e um renovado interesse pela cultura da Antiguidade clássica. Na música, o neo-classicismo surge no período entre as duas guerras mundiais da primeira metade do Século XX e é caracterizado pelo uso de modelos que se inspiram na música do Século XVIII, quer na música do período clássico, quer na música do período barroco. Esta referência ao passado tanto se pode revestir ao nível das formas usadas, como ao nível dos aspectos harmonicos e melódicos da própria música. Contudo, este aparente retrocesso ao passado não se constitui como um verdadeiro retorno ao uso de modelos musicais de épocas históricas passadas, mas antes resulta na criação de novos modelos musicais inspirados neste próprio passado. Assim, a música irá nos parecer, ao mesmo tempo, familiar e estranha.


Rite of spring

https://www.youtube.com/watch?v=aGFRwKQqbk4
O titulo em português é " A Sagração da Primavera" é um balé e possui a duração de dois atos, a peça narra a historia de uma jovem que deve ser sacrificada em um ritual dedicado aos Deuses da primavera para que ele traga boas colheitas a tribo. Está obra marcou o século XX assim como o inicio do modernismo e foi uma das composições mais reproduzidas até então. Esta obra inova em vários aspectos musicas como o ritmo, orquestração, forma e harmonia.
A Sagração da Primavera é marcada por uma grande orquestra que consiste no seguinte:

  • Madeiras: piccolo, 3 Flautas, Flauta alto, 4 oboé s, Corne inglês, Requinta, 3 clarinetes sopranos, clarinete baixo, 4 fagotes, e um contra fagote
  • Metais: 8 trompas em F, trompete piccolo, 4 trompetes, 3 trombones, 2 tubas
  • Percussão: Tímpano (2 tocadores, com um mínimo de 5 tambores, incluindo um Tímpano piccolo), bumbo, pratos, Tam-Tam, Crótalos, triângulo, pandeiro, Guiro.
  • cordas: violino, violas (12), violoncelo s (10), contrabaixos (8).



Petrhuska

https://www.youtube.com/watch?v=hfUgAv2Yew4
Petrushka é um balé com música do russo Igor Stravinsky. Foi composta em 1910-11 e revisto em 1947. O balé conta a história de um fantoche tradicional russo Petrushka , que é feito de palha e com um saco de serragem como seu corpo, mas que vem a vida e desenvolve emoções.
A versão original de 1911 da Petrushka é marcado por quatro flautas, de quatro oboés, três clarinetes, três fagotes , contrafagote, dois trompetes, duas cornetas, três trombones , tuba , tímpanos , bumbo , pratos , dois tambores (um fora do palco), pandeiro, tambor tenor (fora do palco), triângulo , tamtam, xilofone , o piano , celesta , duas harpas e cordas .
1947 versão revisada de Stravinsky é marcado pelo seguinte orquestra menor: três flautas, dois oboés, três clarinetes, dois fagotes , contrafagote, três trompetes, três trombones , tuba , tímpanos , bombo , pratos , cilindro de snare, pandeiro , triângulo, tamtam , xilofone , o piano , celesta , harpa e cordas .


A história do Soldado

https://www.youtube.com/watch?v=mDVlsm8MY-U
Quanto à temática, a História do Soldado é uma obra inspirada num conto popular russo, onde existe uma parte de narração, uma parte de dança, uma parte de representação e uma parte musical. Esta obra conta-nos a história de um Soldado que volta da guerra e que vem a seguir o seu caminho de volta a sua casa quando se encontra com uma pessoa disfarçada, o diabo, que, a todo o custo, tenta apoderar-se do violino que o soldado transporta, pois esse instrumento musical representa a sua alma. Para conseguir o que pretende, o diabo oferece-lhe em troca um livro mágico que permitiria ao soldado a realização de todos os seus desejos pessoais. Seduzido com esta oferta, o soldado passa três dias com o diabo; ou na verdade, três anos. Quando chega a casa, a sua mãe e a sua noiva já nem o conhecem depois de tanto tempo; é então que descobre que tinha passado três anos com o diabo e decide rejeitar tudo o que o livro lhe concedera até então e tenta recuperar o seu violino, ou seja, a sua alma. Depois de voltar a encontrar-se com o diabo e de não ter conseguido reaver a sua “alma”, o soldado dirige-se a um palácio cujo o rei oferecia então a mão de sua filha a quem a conseguisse curar e despertar. É então que o soldado decide tentar a sua sorte e, encontrando-se novamente com o diabo, consegue embebedá-lo (no decorrer de um jogo de cartas) e assim reaver o seu violino. Assim o soldado dirige-se ao palácio e toca para a princesa, conseguindo curá-la. Contudo o diabo reaparece mas o soldado para se defender tem a genial ideia de tocar a “Dança do Diabo”, que faz com que aquele dance até ao esgotamento total. Depois de algum tempo o soldado regressa à sua aldeia com a princesa, sua mulher. Mas no final o diabo também aí aparece arrasta consigo o soldado-principe, definitivamente. De acordo com as características neoclássicas, a peca possui poucos instrumentos: dois no grupo das cordas (violino e contrabaixo), dois no grupo das madeiras (clarinete e fagote) e mais dois no grupo dos metais (trompete e trombone), alem da percussão. ha também a estilização de três ritmos populares, o ragtime de pulsação binaria, o tango também binário e a valsa, de pulsação ternária. Feita por Igor Stravinsky, no final da primeira guerra mundial.





Língua Portuguesa -




SEMANA DE ARTE MODERNA


Há 92 anos, um grupo abria uma das maiores manifestações culturais da história, a Semana de Arte Moderna, que reuniu artistas, músicos, poetas, escritores e pintores. A semana prometia o novo, algo a ser recebido com uma certa curiosidade e interesse, mas não foi isso que aconteceu. Na noite principal, um espírito diferente cercava os artistas, mesmo cobertos por vaias: o deboche, a ironia, todo um fio condutor por onde os jovens intelectuais paulistas quebravam laços com os movimentos anteriores.


A semana de 22 foi o primeiro passo para a arte brasileira de hoje e constituiu um marco inicial no modernismo no Brasil. Sem a semana de 22, realizada entre 13 e 17 de fevereiro no Teatro Municipal, provavelmente nossa produção artística tivesse seguido um rumo muito diferente.Fatos históricos significativos que a antecederam, como, principalmente a Primeira Guerra Mundial, exerceram influência nas ideias de mudança e ruptura entre o velho e o novo, expressadas naquele momento. A SAM estava inserida num momento histórico de tentativa de reestruturação da sociedade.


A nova geração intelectual brasileira sentiu a necessidade de transformar os antigos conceitos do século XIX. Embora o principal centro de insatisfação estética seja, nesta época, a literatura, particularmente a poesia, movimentos como o Futurismo, o Cubismo e o Expressionismo começavam a influenciar os artistas brasileiros. Anita Malfatti trazia da Europa, experiências vanguardistas que marcaram intensamente o trabalho seu trabalho e em 1917 realizou a que ficou conhecida como a primeira exposição do Modernismo brasileiro. Este evento foi alvo de escândalo e de críticas ferozes de Monteiro Lobato ( “Paranoia ou mistificação”), provocando assim o nascimento da Semana de Arte Moderna.


A semana se iniciou dia 13 de fevereiro (Segunda-feira) com a casa cheia, abertura oficial do evento. Espalhadas pelo saguão do Teatro Municipal de São Paulo, várias pinturas e esculturas, provocando reações de espanto por parte do público. O espetáculo tem início com Graça Aranha e a intitulada "A emoção estética da Arte Moderna". Dia 15 de Fevereiro , Quarta-feira, Ronald de Carvalho lê o poema intitulado Os Sapos de Manuel Bandeira, (poema criticando abertamente o parnasianismo e seus adeptos) e o público faz coro atrapalhando a leitura do texto. Na sexta-feira, 17 de Fevereiro, houveram apresentações musicais de Villa Lobos, com participação de vários músicos. O público em número reduzido, portava-se com mais respeito, até que Villa Lobos entra de terno, mas com um pé calçado com um sapato, e outro com chinelo. O público interpreta a atitude como futurista e desrespeitosa e vaia o artista impiedosamente. Mais tarde, o maestro explicaria que não se tratava de modismo e, sim, de uma unha encravada.


Vale ressaltar, que a Semana em si não teve grande importância em sua época, foi com o tempo que ganhou valor histórico já que a sua ideologia projetou-se ao longo do século. Devido à falta de um objetivo de ideias comum a todos os seus participantes, ela desdobrou-se em diversos movimentos diferentes, todos eles declarando levar adiante a sua herança. Na época boa parte da mídia reagiu de forma conservadora, referindo-se aos vanguardistas como "subversores da arte", "espíritos cretinos e débeis" ou "futuristas endiabrados"..


Como mais um desdobramento de todo esse contexto foi criado o movimento antropofágico, onde os artistas se alimentariam dos ideais das vanguardas europeias e só iriam digerir aquilo que lhes conviria, sem perder as características nacionais do movimento. Liderado por Oswald de Andrade , em 1928, é uma resposta às questões colocadas pela Semana de Arte Moderna de 1922. Para ele, a renovação da arte nasceria a partir da retomada dos valores indígenas, da liberação do instinto e da valorização da inocência. Os artistas satirizaram escritores antigos e mostraram sua própria forma de fazer arte. Também surgiram outros movimentos como o verde amarelismo e o anta.

O principal legado da Semana de Arte Moderna foi libertar a arte brasileira da reprodução nada criativa de padrões europeus, e dar início à construção de uma cultura essencialmente nacional.


"Poética", Manuel Bandeira

O poema Poética de Manuel Bandeira é um dos paradigmas da estética modernista e uma das mais conhecidas bandeiras de luta dos modernistas por esta atualização poética. Podemos dividir o poema em duas partes: repulsa dos elementos da norma padrão e da ordem que transformam a arte em burocracia e pregação e divulgação de um lirismo espontâneo, sem censuras e repressões.

Para expressar mais ainda sua insatisfação, o poeta incorpora estereótipos das estéticas anteriores para ironiza-las, utilizando expressões científicas e imagens típicas do cotidiano. As referências aos “lirismo comedido e bem comportado” , “lirismo que pára e vai averiguar no dicionário o cunho vernáculo de um vocábulo” e “abaixo os puristas” manifestam um desagrado do poeta com relação às valores estéticos formais de composição, típicos do parnasianismo, no qual a rigidez, as normas e a estética controlam a criação poética e faz com o que o poeta pare para verificar um vocábulo no dicionário.

Critica a métrica, ou seja o lirismo não é matemática ("parte da tabela de co-senos") ele defende a idéia de liberdade, não ter regra de como fazer os poemas e sim a libertação da inspiração lírica.

O poema possui a vanguarda futurista, percebida na exaltação do autor e insatisfação e critica presentes e o expressionismo pelo pessimismo, discurso em primeira pessoa, pela própria opinião e desejo de mudança apresentado ao leitor durante o durante o poema. Percebe-se também o abandono da forma soneto e das pontuações no poema, novamente rompendo com o tradicional nessa primeira fase do modernismo, a chamada fase heróica.


https://www.youtube.com/watch?v=J7nx7f7auaY&feature=youtu.be