Gabriel Siqueira 19
Carlo Sanseverino 9
Cecília Cabral

A1 - Artes Visuais

Surrealismo

O movimento surrealista nas artes visuais toma início por volta da década de 20 tendo Salvador Dalí como um dos seus previsores. Esta corrente artística se baseava na ausência da razão e valorização de ideias inconscientes, involuntárias e fantasiosas, justamente por esse fato que seria estabelecida futuramente uma relação entre teorias freudianas sobre o Inconsciente e o surrealismo. Entre os principais artistas dessa peculiar vanguarda europeia podemos ressaltar Joan Miró, Max Ernst e o já mencionado Salvador Dalí.
00000.jpg00001.jpg00002.jpg

B1 - Artes Cênicas

https://www.youtube.com/watch?v=VM4teYMiPHY&feature=youtu.be
C1 - Música

Neoclassicismo

O movimento neoclássico na música nasce como uma reação ao Romantismo tardio, este por sua vez, necessitava de orquestras enormes para tocar sinfonias demasiadamente longas - além de propor algumas das características tradicionais do Romantismo como, melodias um tanto pomposas que propõem uma idealização e demonstram um imenso sentimentalismo; nesse contexto, justamente em oposição à esses ideais românticos, se tem o início do Neoclassicismo, em que não havia necessidade de possuir um grande número de músicos para tocar uma obra, além de também retomar a contenção e sentimentos característico do classicismo. Como principal representante do neoclassicismo podemos indicar Ígor Stravinsky e suas obras como: "Sagração da Primavera", e "Pássaro de fogo".
https://www.youtube.com/watch?v=Ag2Z7NrR0NI
https://www.youtube.com/watch?v=yzPsJ_ikpGE

História e Português

A Semana de Arte Moderna é um evento que acontece no Teatro Municipal de São Paulo no ano de 1922. Esse ano foi marcado pelo centenário da Independência do Brasil. Não obstante, a ideia do evento é promover a ruptura com as artes passadas, com o movimento parnasiano por exemplo, o qual defendia a ideia da construção artística por meio da técnica. Já o Modernismo não aceita qualquer tipo de academicismo que restrinja a arte e ao mesmo tempo fomenta a discussão e reflexão sobre o Brasil a fora, sua multicultura e seus aspectos menos conhecidos.
A Semana de A. Moderna é realizada por artistas da burguesia urbana brasileira. Esses artistas passam a criar uma ideia de brasilidade, de nacionalismo artístico, onde seria prezada a construção de uma identidade artística genuinamente brasileira. Apesar de rejeitarem as ideias europeias, trabalham em cima de movimentos de ruptura de lá. São eles: o Cubismo, o Futurismo, o Expressionismo, o Dadaísmo, o Fauvismo e o Surrealismo.
Dois acontecimentos da década de 1910 deram o ponta-pé inicial às iniciativas artísticas influenciadas pelas vanguardas europeias. Oswald de Andrade volta da Europa trazendo consigo ideias Futuristas e Cubistas: ‘‘Estamos atrasados cinquenta anos em cultura, chafurdados ainda em pleno Parnasianismo.’’ E outro fato foi uma exposição de Lasar Segall no Brasil, artista modernista que também passa a influenciar o movimento no Brasil.
Em 1917, Anita Malfatti recebe um comentário negativo de um grande crítico brasileiro, Monteiro Lobato, pela inovação que sua exposição trouxe à época. Lobato em seu artigo conservador classifica Anita e sua arte como ‘’formada pelos que vêem anormalmente a natureza, e interpretam-na à luz de teorias efêmeras, sob a sugestão estrábica de escolas rebeldes, surgidas cá e lá como furúnculos da cultura excessiva’’. Esse foi o estopim para a revolta da arte modernista contra o academicismo e os conservadorismos ditatoriais em termos artísticos.