Grupo 3_E
Grupo:
Amanda Granja(1)
Beatriz Castilho(5)
Gabriela Vidal(11)
Jackeline Pires(21)
Julliana Barros(24)
Raquel Mota(43)



SEMANA DE ARTE MODERNA

external image ingresso1_0.jpg


INTRODUÇÃO:

A Arte Moderna é uma expressão artística surgida nofinal do século XlXna Europa.Influenciada, principalmente, pelaRevolução Industrial,esse novo período da arte tinha como principal objetivo romper com às formas clássicas, longe dos padrões da Escola de Belas Artes.

Essa nova fase artística se ramificou em diferentes correntes, cada uma com suas características individuais. Entre elas estão:

• Expressionismo
• Cubismo
• Fauvismo
• Futurismo
• Dadaísmo
• Surrealismo
• Abstratismo


A Arte Moderna se espalhou pelo mundo, chegando à América durante a l Guerra Mundial. No Brasil, teve seu estopim apenas na 1922, na tão famosa Semana de Arte Moderna.
A Semana de Arte Moderna, conhecida também com a Semana de 22, ocorreu em São Paulo de 11 a 18 de fevereiro de 1922. Esse grande evento surgiu da necessidade dos artistas modernistas brasileiros de renovar o conceito de arte no país trazendo através dessa exposição as novas tendencias artísticas européias.
Rompendo com a forma clássica da arte, os modernistas chocaram a tradicional sociedade paulistana, liderada pelas oligarquias cafeeiras, característica do Brasil na República Velha. A crítica não mediu esforços para destruir as ideias expostas na semana de 22 e a cidade de São Paulo incendiou-se de variadas opiniões sobre o polêmico evento no Teatro Municipal.

Essa external image arrow-10x10.png tem o intuito de explicar essa nova expressão artística, contextualizando e analisando suas diferentes vanguardas. A página será dividida em três partes, cada uma nas seguintes áreas:

+Parte l- História (A1)

+Parte ll- Artes(A1,B1,C1)

+Parte lll- Língua Portuguesa( A1, B1)




PARTE l- HISTÓRIA








A partir de 1900, o mundo assistiu o surgimento de um novo e moderno movimento artístico. Teve o fauvismo, com suas cores intensas, traços simples, abstração e apelo ao selvagem; O cubismo é outro movimento modernista, que trabalha com geometria e ângulos.

O movimento artístico se iniciou para romper com os padrões, estes não precisavam ter uma representação realista.

No início do século XX, ocorreu a I Guerra Mundial (1914-1918), a qual influenciou os artistas a mudarem a forma de ver a arte, e protestarem ao defender seus pensamentos e ideais.

O modernismo brasileiro, iniciado no século XX, chegou com a Semana de Arte Moderna, que ocorreu em São Paulos em 1922, e causou estranhamento nas pessoas, pela sua estrutura livre e revolucionária.






PARTE ll- ARTE
ll.1-Artes visuais
DADAÍSMO

external image TheoVanDoesburg-Dada-poster.jpg



O dadaísmo surgiu em 1916 em meio a Primeira Guerra Mundial. Originário da Suíça, um país neutro, essa vanguarda tem como principal característica o fato de ser um movimento anti-artístico, ou seja, destruindo as principais conceitos estabelecidos no mundo da arte. Com o intuito de escandalizar o público, com ênfase na burguesia, o dada, como é popularmente conhecido, pregava contra a guerra. Em suas obras, a beleza, a ordem e a razão dão lugar ao caos, a loucura e ao absurdo.
Os artistas dadaístas promoviam uma aura de mudança, espontaneidade, liberdade da pessoa, imediato, o aleatóriedade e contradição, utilizando de coisas carentes de valor e introduzindo a desordem em suas cenas, rompendo com
as antigas formas tradicionais de arte.



external image 113)+AULA+2+-+DADAISMO.Man+Ray.Ferro+de+passar.1921.jpg

O Dadaísmo tem também com uma de suas características a capacidade de transformar um objeto absolutamente comum e uma expressão artística.O presente (Le Cadeau, em francês) é uma obra em ready made do artista Man Ray feita em 1921 em Viena. Constituído por um ferro de passar roupas atravessado por 14 pregos, o artista usa esses objetos típicos do dia-a-dia e completamente aleatórios, e os recontextualiza esteticamente, rejeitando completamente o belo. Inspirado nas obras de Duchamp, "O presente" tem como uma de suas interpretações o ferro representando a domesticidade da mulher e os pregos, o trabalho, principalmente braçal, masculino.

external image hoch.jpg

A obra "Cut the kitchen knif" de Hanna Höch é um exemplo de obra dadaísta feita de colagens, e além disso, feito por uma mulher. Höch era uma das mais importantes artistas do movimento dadaístas, e seus trabalhos deram origem ao que chamamos hoje de fotomontagem. A imagem representa o caos que é o dadaísmo, pois feita com imagens aleatórias e, aparentemente, sem ligação direta entre si, indo de eventos cotidianos à uma peça de máquina. A obra foi apresentada primeiramente em 1920 na Primeira Exposição Internacional Dada, em Berlim.

external image homage_to_duchamp_by_leothefox-d4lgjzv.jpg

Esse movimento artístico também tem como característica ignorar a arte mais formal, mostrando assim que suas tradições podem sim ser rompidas. A obra L.H.O.O.Q de um dos principais artistas dadaístas (Macel Duchamp) tem esse teor. Produzida em 1919, a pintura é um ready made, e apresenta a pintura renascentista “Monalisa”, de Leonardo da Vinci, com um cavanhaque e bigode. O nome da obra é uma sigla que significa em francês “Elle a chaud au cul”, traduzindo, o nome do ready made é “Ela tem fogo no rabo”
O “L.H.O.O.Q” causa no público um sentimento de estranhamento pela imagem completamente absurda e desordenada apresentada, atingindo assim seu objetivo de criação.N
a obra ocorre uma troca de gêneros, transformando "La Gioconda” retratada na obra em um homem. Essa artimanha era bastante utilizada por Duchamp, tendo ele mesmo adotado o pseudônimo feminino Rrose Selavy.



ll.2- Artes cênicas







ll.3- Música
EXPRESIONISMO
O Expressionismo foi uma das vanguardas modernistas, criada por volta de 1910/1920, que influenciou várias áreas das artes, tais como pintura, música e até na literatura. O movimento é, basicamente, caracterizado pela expressão das emoções.
A música Expressionista é baseada nas emoções dos compositores. E, como nas outras áreas, a música expressionista não procura o belo, e sim, a intensidade de suas angústias.



Exemplo nº1:Noite Transfigurada:
https://www.youtube.com/watch?v=RqloMc9mYBM
"Noite Transfigurada" foi escrita por Schoemberg por volta de 1899. A obra, que é considerada como um poema sinfônico, tem como tema principal expressar o máximo possível da agonia feminina da época, e, para isso, usou de acordes beirando quase a atonalidade. Na época, a obra recebeu várias críticas por conta do seu conteúdo extremamente sexual.
Os instrumentos usados na música são, basicamente, dois violinos, duas violas e dois violoncelos.


Exemplo nº2:

Salome:
https://www.youtube.com/watch?v=RqloMc9mYBM
"Salomé" é uma ópera, de apenas um ato, por Richard Strauss, em meados de 1905. A obra é uma "releitura" na obra de Oscar Wilde chamada, também de Salomé. A obra "conta" a história de um rei, Herodes, e uma menina, sua filha adotiva, Salomé. A ópera foi duramente criticada por conter muito erotismo em suas encenações.A obra usa de solos de contafagotes acompanhados, "unissonamente", de violas para criar a curva melódica.


Exemplo nº3:

Elektra:
https://www.youtube.com/watch?v=GGnD-JkvWaA
Escrita em 1909, também por Richard Strauss, a ópera "Elektra" é sobre uma filha, Elektra, que, tem um desejo de matar sua própria mãe para vingar-se da morte do pai.A obra usa de superposições e justaposições de acordes independentes de harmonia para criar as atonais harmonias. Onde deveriam ter, exatamente, 6 violistas, além de violas, violinos e violoncelos.




PARTE lll- LÍNGUA PORTUGUESA

external image Arte-moderna-8.jpg external image 5e06838b407a9f6d146fcc401ce36791.jpg

A) O modernismo de 1922 veio como uma resposta ao mundo perfeito do classicismo. A partir desse momento as pessoas passaram a querer causar uma revolução e surpreender em suas obras e criações, assim a arte como um todo pretendia causar impacto e estranhamento de seus apreciadores. Dessa forma em suas primeiras manifestações essa arte moderna foi fortemente criticada e repreendida por vários membros da elite, muitas vezes classificada como arte para loucos.
As vanguardas europeias influenciavam os artistas brasileiros e outros artistas afirmavam que o Brasil estava atrasado culturalmente. Assim o país necessitava de uma arte que fosse a identidade nacional, a libertação de um padrão não original. Logo se viu acontecer a Semana de Arte Moderna no Teatro Nacional de São Paulo que trazia consigo tendências culturais do fauvismo, expressionismo,futurismo, cubismo, dadaísmo e surrealismo. Durante uma semana a cidade entrou em plena ebulição cultural, sob inspiração de novas linguagens, não foram mudanças somente nas artes plásticas, mas em todos os ramos como na literatura, na arquitetura e na musica.
Grandes nomes dessa semana foram, nas artes plásticas, Tarsila do Amaral com Abaporu, Operários, São Paulo, A Família; Di Cavalcanti com Mulata, Mulheres Protestando, Baile Popular; Lasar Segall com Caboclas montadas, Família judia, Navio de Emigrantes; Anita Catarina Malfatti com A boba, O sanfoneiro e O Samba. Já, na literatura, quem se destacou foram Manuel Bandeira com seu poema Os Sapos; Oswald de Andrade, Ismael Nery e Mario de Andrade com suas incontáveis obras. Nas artes musicais temos Heitor Vila-Lobos como principal.
As reações à Semana de 1922 não demoraram muito a serem notadas. Portanto quando alguns escritores estavam a apresentar seus poemas vaias, gritos e insultos foram notados. Assim aconteceu com Manoel Bandeira quando lia seu poema Os Sapos que sofreu, de início, grande repressão por parte da população que fez um coro e atrapalhou a leitura mostrando seu descontentamento. Do mesmo modo aconteceu com Villa Lobos que, após uma belíssima apresentação, o público notou a falta do calçado em um dos seus pés, com isso ele foi tido como muito futurista e criticado por sua atitude, mas na verdade ele foi mal interpretado, pois entrou semi-descalço pela presença de um calo que o causava intenso desconforto.
Assim foi a Semana de arte moderna de 1922, que de início foi muito criticada e caracterizada com forte sentimento revolucionário, mas ao longo do tempo foi ganhando seu devido valor e espaço nas artes como geral. A perseverança e o foco dos seus protagonistas estiveram sempre em primeiro lugar e diante de tantas vaias e desaprovações essa arte acabou sendo reavaliada e se tornando um marco para identidade nacional do Brasil.


B) Poema escolhido:
OS SAPOS, de Manuel Bandeira


Enfunando os papos,
Saem da penumbra,
Aos pulos, os sapos.
A luz os deslumbra.


Em ronco que aterra,
Berra o sapo-boi:
- "Meu pai foi à guerra!"
- "Não foi!" - "Foi!" - "Não foi!".


O sapo-tanoeiro,
Parnasiano aguado,
Diz: - "Meu cancioneiro
É bem martelado.


Vede como primo
Em comer os hiatos!
Que arte! E nunca rimo
Os termos cognatos.


O meu verso é bom
Frumento sem joio.
Faço rimas com
Consoantes de apoio.


Vai por cinquüenta anos
Que lhes dei a norma:
Reduzi sem danos
A fôrmas a forma.


Clame a saparia
Em críticas céticas:
Não há mais poesia,
Mas há artes poéticas..."


Urra o sapo-boi:
- "Meu pai foi rei!"- "Foi!"
- "Não foi!" - "Foi!" - "Não foi!".


Brada em um assomo
O sapo-tanoeiro:
- A grande arte é como
Lavor de joalheiro.


Ou bem de estatuário.
Tudo quanto é belo,
Tudo quanto é vário,
Canta no martelo".


Outros, sapos-pipas
(Um mal em si cabe),
Falam pelas tripas,
- "Sei!" - "Não sabe!" - "Sabe!".


Longe dessa grita,
Lá onde mais densa
A noite infinita
Veste a sombra imensa;


Lá, fugido ao mundo,
Sem glória, sem fé,
No perau profundo
E solitário, é


Que soluças tu,
Transido de frio,
Sapo-cururu
Da beira do rio...



C) O poema Os Sapos de Manoel Bandeira é uma obra modernista logo representa uma ruptura com a tradição. A cada um dos poetas reclamadores importantes ele denomina uma espécie diferente de sapo: sapo-boi, sapo tanoeiro e aos menores chama de saparia. Podemos notar ao longo de todo o texto uma critica explicita ao modelo parnasiano. No parnasianismo a estrutura tinha que ser perfeita em métrica e em rimas, que ainda eram mais rígidas, feitas com termos cognatos (mesma classe gramatical), assim ao longo do texto percebe-se uma zombaria com esse fato:
''O sapo-tanoeiro,
Parnasiano aguado,
Diz: - "Meu cancioneiro
É bem martelado.


Vede como primo
Em comer os hiatos!
Que arte! E nunca rimo
Os termos cognatos.''


O poema também faz uma alusão aos poemas que valorizam a descrição de objetos e culturas clássicas:
''Brada em um assomo
O sapo-tanoeiro:
- A grande arte é como
Lavor de joalheiro.


Ou bem de estatuário.
Tudo quanto é belo,
Tudo quanto é vário,
Canta no martelo". ''



O uso de aliterações em “p” e “b” e as assonâncias em “u” e “a” que remetem o som do pulo dos sapos, assim como, o jogo de palavras em ” Não foi! – Foi! – Não foi!” que faz analogia ao coaxar dos sapos. Ele sofre influência de várias vanguardas modernistas como o Expressionismo, por tratar de sentimentos e da subjetividade. Também como o dadaísmo por fazer muito jogo de palavras causando uma confusão de ideias e o futurismo, por inovar a forma que o texto foi escrito.






BIBLIOGRAFIA:
http://www.culturamix.com/cultura/dadaismo
http://silvioalvarez.blogspot.com.br/2013/01/colagem-esta-tecnica-tem-historia.html

http://en.wikipedia.org/wiki/L.H.O.O.Q.

http://landaleearteecultura.blogspot.com.br/2010/07/analise-da-obra-de-hannah-hoch-cut-with.html
http://www.suapesquisa.com/artesliteratura/artemoderna/
http://www.infoescola.com/artes/semana-de-arte-moderna/
http://www.itaucultural.org.br/aplicexternas/enciclopedia_ic/index.cfm?fuseaction=termos_texto&cd_verbete=355

http://almanaque.folha.uol.com.br/semana22.htm
http://lpprofessoraeliane.blogspot.com.br/2012/03/os-sapos.html
http://www.mundoeducacao.com/upload/conteudo_legenda/5e06838b407a9f6d146fcc401ce36791.jpg
http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/a/a5/Arte-moderna-8.jpg