Grupo 2_G
Rafaela Yani - 40
Rafael Acioli - 39
Juliana Azevedo - 24
Juliana Rodrigues - 25
Isadora Castelo Branco - 19
Andre Felipe - 3


Rafael Acioli, Juliana Azevedo e Andre - história 1a parte e portugues 3a parte

Juliana Rodrigues, Rafaela e Isadora Castelo - musica, artes visuais 2a parte e artes cenicas 2a parte



1ª PARTE - a1 HISTÓRIA







TEXTO SOBRE SEMANA DE ARTE MODERNA


A semana de Arte Moderna foi a consequência do contexto mundial. Àquela época, a Europa enfrentava o fim da Primeira Guerra, passando por um tempo de decadência social e cultural, o que levou ao nascimento de ideias novas, revolucionarias. O movimento modernista surge numa espécie de Bellé epoque paulista, quando a cidade começava a ter eletrificação, as cidades cresciam, passavam por um processo de modernização. Em meio a esse contexto todo, o pintor expressionista europeu Lasar Segall, considerado quase que um veio fazer uma exposição no Brasil, e, durante a essa viagem retratou problemas sociais do país, colocando, de forma familiar o interior de casas pobres e o rosto sofrido e cansado de seus habitantes. Além disso, a pintora Tarsilla do Amaral acabara de voltar de Paris, retornando com um espirito vanguardista pulsante e se encontrando com Mário de Andrade, Oswald de Andrade, Anita e Menotti Del Pichicia, que formaram o chamado movimento dos 5, os ditos fundadores da Semana de 22.



A arte contemporânea, onde se enquadra também a literatura, é caracterizada por extrema liberdade, nela não existem limites para a criação humana, padrões



a serem seguidos, o objetivo dela não é romper, cresceu após o rompimento que a Semana de Arte moderna lhe propiciou. Falar de literatura brasileira contemporânea e não falar da Semana de Arte Moderna, é o mesmo que não falar da percursora dela. Sem sua realização,



o rompimento com a copia literal do estilo academico europeu não seria possível, continuaríamos importando o estilo de se escrever, os temas sobre os quais sao escritos,



e a forma da escrita. A novidade da Arte Moderna fica bem expressa, a partir do momento em que se percebe que ao mesmo tempo que ela prega o rompimento com



o passado e o academicismo e se mobiliza pela formação da cultura nacional, foi fundada também nos moldes da antropofagia, que seria, segundo Anita Malfatti, a arte de



se apropriar de qualidades de diversos gêneros artísticos e literários, dentre elas o movimento das vanguardas europeias, o realismo e o naturalismo, que somadas



ao pensamento e a historia do Brasil, caracterizariam algo jamais visto, que foi uma revolução na forma de fazer arte.



Entre as principais OBras da Semana de Arte Moderna, se destaca a obra Os Sapos(Manuel Bandeira) e Brasil(Oswald de Andrade) e Beleza(Menotti Del Pischia)



Portanto, pode-se considerar a SAM como a principal causa da arte brasileira atual, foi o que possibilitou o sentimento de brasileiridade,



um maior sentimento de nacionalismo, não é a toa que dos livros lidos na escola atualmente, grande parte veio deste movimento, sem a Semana de



Arte Moderna, o Brasil não seria Brasil e, provavelmente estaria até hoje procurando, na Europa, sua identidade perdida.


2ª PARTE - b1 ARTES CÊNICAS


IMG_7395.jpg


C1 - MÚSICA


O futurismo se trata de um movimento artístico, de grande repercussão social. O manifesto futurista, de autoria do poeta Filippo Marinetti, teve sua primeira publicação em Paris em 1909. Ele fez parte da primeira vanguarda futurista, onde era totalmente revolucionário.
Vinha para propor a destruição de um mundo representado pelo governo e pelas academias de arte, para fazer a sociedade despertar para a modernidade. Além disso, defendia a guerra como o único meio de mudar o mundo decadente e o militarismo.
Esta vanguarda atuou em todos os lados das antes, na pintura, no teatro e na musica.
Na musica futurista introduziam-se os ruídos em suas composições como estouros, explosões, sussurros, vozes de animais, gritos, gemidos.
Os músicos futuristas acreditavam que antes de tudo a musica deve expressar a alma da sociedade para que foi composta.



autor: Luigi Russou
esta obra faz parte da “L’Arte dei Rumori” (A arte do ruído) – 1913
instrumentação: intonarumori, reproduz sons de ruídos


autor: Jean Michel Jarre
esta musica faz parte de um álbum instrumental de musica eletrônica. Jean se tornou muito influente no desenvolvimento da musica eletrônica que tem suas origens da musica futurista pela mistura de sons, ruídos, gritos...




A música futurista caracteriza-se por apresentar ruídos, barulhos de carros, avião, gritos, sussurros, etc.
É uma musica que não faz muito nexo, não sendo muito boa para ser ouvida. Mas no fundo, esta passando uma mensagem por ser uma vanguarda e ir contra as regras de tudo que já tinha sido visto antes.