17.jpg
Grupo3a.jpg

O contexto histórico da Europa e do Brasil à época do surgimento do Modernismo

18.jpg
GABRIELA MONTEZUMA

Grupo3aya.jpg

image.jpg

O Cubismo surgiu no século XX no contexto do Modernismo e é considerada a vanguarda mais influente de seu período. Os cubistas romperam com os padrões estéticos que primavam pela perfeição das formas com suas formas geométricas representadas por cilindros e cubos. No Brasil o cubismo chega apenas após a Semana de Arte Moderna de 1922. Por aqui não encontramos artistas com características exclusivamente cubistas; muitos foram apenas influenciados pelo movimento e apresentaram características do cubismo em suas obras.

O cubismo retrata o que existe de forma diferente da que nós vemos. As principais características da vanguarda são:

*Demonstra os objetos em formas geometrizadas, utilizando cubos, cilindros e outras formas.

*Utiliza poucas cores, se utilizando bastante do recurso da sombra.

*Não é utilizada a perspectiva.
DANILO LUCAS E LUÍSA TAVARES








Poética
Estou farto do lirismo comedido

Do lirismo bem comportado

Do lirismo funcionário público com livro de ponto expediente

protocolo e manifestações de apreço ao Sr. diretor.

Estou farto do lirismo que pára e vai averiguar no dicionário

o cunho vernáculo de um vocábulo.

Abaixo os puristas

Todas as palavras sobretudo os barbarismos universais

Todas as construções sobretudo as sintaxes de exceção

Todos os ritmos sobretudo os inumeráveis

Estou farto do lirismo namorador

Político

Raquítico

Sifilítico

De todo lirismo que capitula ao que quer que seja

fora de si mesmo

De resto não é lirismo

Será contabilidade tabela de co-senos secretário do amante

exemplar com cem modelos de cartas e as diferentes

maneiras de agradar às mulheres, etc

Quero antes o lirismo dos loucos

O lirismo dos bêbedos

O lirismo difícil e pungente dos bêbedos

O lirismo dos clowns de Shakespeare


- Não quero mais saber do lirismo que não é libertação.
Análise:

DANILO LUCAS

"A Semana de Arte Moderna de 1922, realizada em São Paulo, no Teatro Municipal, nos dias 13, 15 e 17 de fevereiro, teve como principal propósito renovar a arte e a cultura brasileira, tanto nas artes visuais, musicais e cênicas quanto na literatura. Note que tal ano (1922) não foi escolhido por acaso, já que cem anos antes, em 1822, ocorrera a independência do Brasil. O pretendido era mostrar as novas tendências artísticas que já vigoravam na Europa, e a partir disso criar uma arte essencialmente brasileira. A semana teve influências vanguardistas, principalmente do Cubismo, Futurismo e Expressionismo. Quem idealizou tal evento artístico e cultural foi o pintor Di Cavalcanti, mas quem pagou pelo mesmo foi Paulo de Tarso. Foi na Semana de Arte Moderna que o modernismo se instalou definitivamente no Brasil, e alguns dos destaques foram: Oswald de Andrade, Manuel Bandeira, Anita Malfatti, Mário de Andrade, Manuel Bandeira, Tarsila do Amaral e Vítor Brecheret.



Oswald de Andrade foi o mais transgressor e experimental dos modernistas. “A alegria é a prova dos nove”, declarou no “Manifesto Antropófago” de 1928, que defendia de forma poética uma língua brasileira e a metáfora do canibalismo do índio que deglute o estrangeiro. Era a idéia de antropofagia como caminho para a cultura brasileira. Esse projeto construtivo de um modernismo ligado à brasilidade já tinha se anunciado no “Manifesto da Poesia Pau-Brasil”, de 1924, que deu origem ao livro “Pau-Brasil”, publicado no ano seguinte. Oswald defendia a cultura realmente nacional, e pode-se dizer que Oswald foi e essência, a alma do modernismo no Brasil."


trab de cenicas.jpg

A imagem retrata a ira e fúria de animais perante as construções humanas e o rumo que elas tomaram para com o planeta, como fica evidente o tentáculo se contorcendo com uma cabeça de um pirata em seus braços.
Os monstros marinhos eram o maior medo em que os piratas enfrentavam, e o monstro na imagem esta em dominância em relação ao humano. Isso para simbolizar a retomada do planeta que não é dos seres humanos.
A imagem tenta esconder o homem dentro do mundo, extinguindo ou ocultando a raça humana. Porem a mulher do lado de fora está excluída de dentro por que ela morreu pelo planeta, uma vez que se encontra desnutrida e extremamente magra e fraga, observando e apontando em direção a humanidade avisando a todos que a nova ordem mundial será a retomada pelas forças naturais da terra.
O gnomo, é uma das criaturas mitológicas guardiãs da terra. O gnomo com o seu fracasso, esta escondendo a cria do ser humano ,que é o próprio homem. Homem que nasce para matar e desmatar, e que agora esta crescendo de uma forma diferente e visão renovada!

imagem por: João Lucas Pereira
Texto por: Joel Baptista Andrade e João Lucas Pereira



NEOCLASSICISMO
A vanguarda que mais se destacou na música foi o Neoclassicismo, influenciando a cultura de todo o ocidente. Os artistas se interessavam pela cultura da Antiguidade Clássica, defendendo os princípios da moderação, equilíbrio e idealismo contra os excessos do Barroco.



Sagração da Primavera

http://youtu.be/5UJOaGIhG7A

Orquestra formada por: Madeiras: piccolo, 3 Flautas, Flauta alto, 4 oboés, Corne inglês, Requinta, 3 clarinetes sopranos, clarinete baixo, 4 fagotes, e um contra-fagote. Metais: 8 trompas em F, trompete piccolo, 4 trompetes, 3 trombones, 2 tubas Percussão: Tímpano (2 tocadores, com um mínimo de 5 tambores, incluindo um Tímpano piccolo), bumbo, pratos, Tam-Tam, Crótalos, triângulo, pandeiro, Guiro. Cordas: violino, violas (12), violoncelo s (10), contrabaixos (8).

Apollon Musagète


http://youtu.be/bd_1uwD4v-I

Apollon Musagète (Apolo,líder das Musas) é um bailado em duas cenas de Igor Stravinsk. A história está centrada em Apolo, que é visitado pelas musas Terpsícore,Polímnia e Calíope. O deus ensina-lhes as suas artes as conduzindo ao Parnaso, numa reinvenção da tradição dos mitos clássicos. A música é executada por uma orquestra de cordas de 34 instrumentos, e a obra tem uma feição intencionalmente classicista.

Alban Berg: Wozzeck "Interlude"

http://www.youtube.com/watch?v=YHl7ZxWPYMs

Compositor: Alban Berg.Ano: 1914 – 1922 (não se sabe ao certo).

Contexto: Composta provavelmente, durante a 1ª Guerra Mundial, aonde era escassa a presença de músicos.

Instrumentação: Orquestra completa (teclas, percussão, metais, madeiras e cordas).A obra evidencia um rompimento com os padrões pré-estabelecidos durante o período clássico. Melodias frenética e contrastes violentos são fatores que destacam o expressionismo da ópera.
DANILO LUCAS