Grupo 1_F
Bruna Silveira - 06
Daniel Serra - 14
Mariana Bocayuva - 30
Marina Ribas - 32
Vinicius Telheiro - 44
Vitor Michetti - 45

=

=
1 Parte- HistóriaO que levou a humanidade à um desenvolvimento acelerado
O século XIX e XX foi um século de grandes mudanças ideológicas e de grandes revoluções em um espaço de tempo relativamente curto, porem não há como analisar os períodos citados sem antes recapitular os eventos históricos que aconteceram previamente e deram influência para os fatos dos respectivos séculos.

Em uma das nossas viagens transcendentais... Voltamos aos séculos XVII, XVIII, XIX e XX para compreender os fatos mais importantes da história do ocidente, que desencadearam mudanças contínuas e cada vez mais rápidas na sociedade.

A mentalidade humana nunca ficou estagnada, mesmo no famoso Período das Trevas, o homem foi capaz de criar belíssimas artes; fundar universidades, gerar inovações técnicas para o campo e formular teorias matemáticas. Grandes fatos como renascimento, revolução científica, protestantismo, humanismo mudaram o senso social em relação ao homem com o mundo.

Diante da luta entre classes sociais nos países unificados da Europa, Portugal, Espanha, Reino Unido e Países Baixos, o sistema político passou por mudanças ao longo dos séculos. Os países foram formados por meio da centralização do poder de senhores feudais a um só senhor, que posteriormente se tornaria rei do Estado-Moderno Absolutista. Esse sistema perdurou muito tempo, entretanto, havia uma nova classe social em ascensão, a burguesia, negociantes do capitalismo comercial que possuíam e movimentavam grande parte da economia europeia. A burguesia inglesa possuía quase tudo, menos o poder estatal e religioso, portanto foi necessária uma grande mudança que iniciaria um processo de movimentos e revoluções burguesas entre as nações e colônias dos continentes do Atlântico. No século XVII a Inglaterra foi o primeiro Estado a abandonar o sistema absolutista e criar um Parlamento constituído por líderes burgueses e nobres, sem o caráter do Rei como regente do país.

A Revolução Inglesa serviu posteriormente para novas revoluções, começando pela sua antiga colônia, Estados Unidos, que movidos pelos ideais iluministas e por conflitos com a metrópole, declaram independência no século XVIII, fazendo assim a Revolução Americana. A libertação da primeira colônia americana despertou um espírito revolucionário nos Sul-Americanos e na Europa. A criação de uma República Constitucional na recém Ex-Colônia Britânica foi um dos marcos que mais motivou a inconfidência mineira no Brasil Colônia (1789-1792) e a Revolução Francesa (1789-1799).

Com todas essas revoluções acontecendo, as colônias da América do sul também começaram a entrar em um processo de independência, no Brasil esse processo começou com D. Pedro I que virou o monarca do Brasil, que foi substituído pelo seu filho D. Pedro II. Com o passar do tempo começaram a aparecer as leis antiescravistas (séc. XIX), isso gerou uma certa insatisfação dos grandes produtores rurais (principalmente cafeicultores). O estopim foi no ano de 1888 com a abolição da escravidão, resultando na proclamação da republica, comandada pelo Deodoro da Fonseca e Floriano Peixoto fazendo a republica da espada (1889 a 1894)

Um dos principais motivadores do modernismo no Brasil são os fatos pré-modernistas (séc. XIX / XX) que foram muito importantes no desenvolvimento de uma mentalidade critica e inovadora nos artistas e escritores brasileiros sendo um deles o Euclides da Cunha em seu livro ‘’Os Sertões’’ que retrata a Revolta de Canudos na visão de um dos próprios revolucionários que participaram de canudos, outro escritor que foi importante nessa época de pré-modernismo foi Lima Barreto que escreveu ‘’ O Triste Fim de Policarpo Quaresma’’, que fala de um cidadão extremamente nacionalista na época de grandes revoltas sociais, teve também a aparição de Monteiro Lobato na literatura brasileira, que criou o personagem ‘’Jeca Tatu’’ que é um homem simples do campo que vivia em época de decadência econômica. Alem da influencia em escritores, o pré-modernismo também influenciou poetas como Augusto dos Anjos que revolucionou a poesia, pois ele fala da morte com uma linguagem biológica de decomposição da matéria em linguagens anatômicas, ele era conhecido como ‘’poeta de bula de remédio’’.

A Europa teve mais uma vez grande importância cultural e histórica, por volta de 1914 inicia assim a I Grande Guerra que gerou pânico em todos os continentes, principalmente o europeu, fazendo com que as ondas de protestos artísticos acelerassem, rompendo com os movimentos artísticos anteriores, acarretando um estranhamento estabelecido pelos artistas e suas obras, que mostram a verdadeira expressão da sociedade e da guerra para o resto do mundo. Esse movimento chega ao Brasil em 1922 com a semana de arte moderna, que marca o inicio do modernismo no Brasil e introduziu as vanguardas europeias na cultura brasileira.

No Brasil, o modernismo influenciou fortemente no campo da literatura e das artes, movimentos como o cubismo, o expressionismo e futurismo (entre outros) foram estabelecidos na cultura brasileira pós a semana de arte moderna, o modernismo foi separado em três partes no Brasil:

  • A 1º geração (1922-1930):

Foi a fase mais radical do modernismo brasileiro, embora seja muito nacionalista as obras também apresentavam um forte caráter critico da sociedade brasileira.

Muitos escritores fizeram parte dessa geração, sendo uns deles: Oswald de Andrade, Mário de Andrade, Manuel Bandeira e a famosa pintora Tarsila do Amaral.

  • 2º geração (1930-1945)

A segunda fase foi um marco para a poesia e a prosa brasileira, tendo como contexto o destino do homem no estar no mundo, ou seja, o que ele esta fazendo no mundo e o qual é a consequência que o homem está gerando.

Na poesia ocorreu a presença de verso livre e uma certa liberdade temática, assim surgindo fortes nomes da poesia brasileira sendo eles: Vinicius de Morais, Jorge de Lima, Murilo Mendes e Carlos Drummond de Andrade.
  • 3º geração (1945-1980)

Teve uma forte presença do Guimarães Rosa, que deu uma nova dimensão ao regionalismo textual brasileiro, tendo uma busca na literatura pelo intimismo, ou seja, um sonar psicológico da sociedade brasileira.

Durante as 3 gerações do modernismo ocorreram diversos acontecimentos marcantes na sociedade que mudaram a forma de pensar do mundo e a arte da sociedade. A 1º guerra mundial e depois a grande crise abalaram a primeira fase do modernismo e por isso a transformou na fase mais radical do modernismo.

Na segunda geração ocorreu a segunda guerra mundial e com isso o surgimento do nazifascismo, que provocou um grande medo no mundo e abalou diversas culturas, junto com o inicio da era Vargas, que trouce muitas empresas de fora do Brasil para dentro dele, fazendo com que começasse o processo de industrialização brasileira.

Na terceira fase ocorreu a guerra fria, gerando um medo de uma guerra nuclear entre os estados unidos e a união soviética, abalando assim todo o mundo pelo fato de que se ocorresse esta guerra o mundo acabaria devido à corrida bélica que estava acontecendo entre essas duas potencias mundiais. No Brasil ocorreu o fim da era Vargas e o golpe militar de 1964, dando inicio assim a uma ditadura militar brasileira.

Como podemos perceber essas épocas foram de grandes mudanças, sendo elas boas mudanças e também terríveis mudanças, mas essas mudanças foram acontecendo cada vez mais rápidas na sociedade e no Brasil, ocorrendo diversas transformações mundiais como a mudança de maiores potencias (grã Bretanha para estados unidos) e o surgimento de uma cultura nacionalista brasileira tanto na literatura quanto nas artes, o que marcou assim o inicio de uma nação brasileira moderna, que agregou a cultura europeia e a transformou em uma cultura própria e nacionalista.


2 Parte- A1 (Artes Visuais)
79084_823.jpg

O Fauvismo é uma vanguarda desenvolvida no século XX, tendo como característica marcante o uso intensivo de cores que não mantém uma relação direta com a realidade. O movimento artístico possuía uma temática leve, com base na alegria de viver e nas emoções, não tinha nenhuma intenção crítica ou política. As cores eram utilizadas puras por serem responsáveis pela noção de limites, volume, relevo e perspectiva. No Fauvismo, as obras não possuíam relação com sentimentos e emoções, ou seja, a criação deveria ser livre e espontânea, baseada no instinto primário
fauvismo-movimento-artistico-de-1901-3.jpg
Características do movimento presentes na obra: Exaltação da cor pura, e uso intenso das mesmas, criando perspectiva e modelando o volume; As cores não possuem uma relação com a realidade e não fazem nenhuma crítica política.

Características do movimento presentes na obra: Utilização de cores fortes e puras, a presença do equilíbrio; pureza e harmonia estabelecidos; representação de uma cena urbana e uso de formatos grandes e com traços largos, intenção de demonstrar sentimento na obra.


fauvismo-movimento-artistico-de-1901-2.jpg
Características do movimento presentes na obra: Uso de poucas cores, mas cores intensas (vermelho, roxo e verde); o tema utilizado é o nu e a cena ao ar livre, sendo leve e representando a alegria de viver; uso de formatos grandes e planos; não possui intenção crítica.




B1- Artes Cênicas
cenicas2.jpg

==




==


3 Parte- Língua PortuguesaOde ao burguês
Português:
O texto não possui metrificação, seus versos são livres, utiliza de palavras consideradas tradicionalmente não poéticas, pontuação e ritmo livres e é perceptível neste poema o gosto pela ironia. Já as características vanguardistas, podemos vê-las na agressividade do poema, no uso de exclamações na maioria das orações e na utilização de palavras condicionalmente não poéticas, como nádegas, por exemplo.
Este poema faz uma forte critica a burguesia e a aristocracia paulista. Pois o poema já começa dizendo: “Eu insulto ao burguês”, um verso abaixo fala: “A digestão bem feita de São Paulo”, quer dizer, a parte ruim de São Paulo. Em todo o poema ele faz criticas de forma direta e indireta a burguesia.









Esta apresentação rompe com a normalidade, com o comum, devido à entonação brutal das palavras, o modo como ele se porta no palco, o uso de elementos incomuns durante a apresentação, são marcas deixadas pelo modernismo. Além de representar muito bem as características de um poema com traços da vanguarda futurista, que tem essa questão da agressividade, da elevação da violência e da ousadia.








https://www.youtube.com/watch?v=jrUVle5wdPY

A comparação que podemos fazer desses vídeos com o poema em relação aos princípios modernistas é a utilização da ironia, figura de linguagem muito comum na literatura no modernismo. Já as relações sobre o tema abordado são a exaltação do mundo capitalista e do favorecido financeiramente, que só pensa em comprar, em ter e em mostrar para os outros. Assim, quando alguém não se enquadra nesses padrões é considerada um ‘’animal’’, algo diferente, exótico. Que merece ser tratado de forma desigual e especial.





divida.jpg











Organizze-1-813x390.png




Essas imagens mostram como o homem muitas vezes é escravo do dinheiro e se aprisiona à ele. O próprio indivíduo se esquece dos outros valore, às vezes até se endivida para poder ter coisas caras e de marca. Tudo para conseguir ‘’status’’ diante da sociedade. Assim como diz no poema com o verso:
"–Ai, filha, que te darei pelos teus anos?
–Um colar... - Conto e quinhentos!!! 
Mas nós morremos de fome!"

Neste trecho fica evidente que esta família deixa de comer para poder ter uma joia cara. Isso mostra como o homem é subordinado ao mercado, ao dinheiro e aos bens materiais.
São duas imagens, que assim como o poema de Mario de Andrade, rompem com a estética clássica. Trazem novos padrões, novas formas, um estilo modernizado, que foge do modelo padrão e do academicismo.





C1 - Música



O futurismo foi um movimento literário e artístico, iniciado em 20 de fevereiro de 1909 com a publicação do “Manifesto futurista” por Filippo Marinetti. Essa vanguarda desprezava o padrão moral, assim como os valores que permaneceram no passado. Tinha com objetivo, um novo paradigma estético. O “novo” é uma forte característica desse movimento, que chegava a apoiar a destruição de museus e cidades antigas.



Futurismo.jpg



Luigi Russolo propôs na época de 1910 em “L’art dei rumori” a composição musical a partir de sons do meio ambiente, na busca da variedade infinita dos ruídos. O efeito prático foi a construção de instrumentos produtores de ruídos como o “internarumori” (geradores de ruído acústico que permitiram criar e controlar a dinâmica e afinação de diferentes tipos de ruídos). O primeiro concerto da série “the art of noises” ocorreu em 21 de abril de 1914. O vídeo mostra uma homenagem em comemoração aos 100 anos da publicação do Manifesto futurista “L'arte dei rumori “.
Edgard Varèse – Amériques: Escrito entre 1918 e 1921 e revisado em 1927. Edgard Varèse, não gostava de ser chamado de “futurista”. Por recorrer a diferentes fontes para compor seu próprio pensamento estético, suas obras continham características tanto futuristas quanto cubistas. Ele parecia concordar com o manifesto, pois fez declarações que podemos considerar favoráveis ao pensamento futurista, “A velocidade e a síntese são características do nosso tempo”.
A sinfonia em ré menor, opus 40 é a segunda das sete sinfonias de Sergei Prokofiev, escrita em 1924, a chamou de "sinfonia do ferro e do aço". A estreia ocorreu em Paris em 6 de junho de 1925 sob direção de Serge Koussevitzky.


As três músicas apresentam como características futuristas marcantes, a valorização do desenvolvimento industrial e tecnológico, a presença de ruídos, postos para acabar com as limitações aos timbres, há sempre um elemento rítmico preliminar a uma parte, há também a presença de outros ritmos perceptíveis porém, não secundários


Fontes (C1):

Livro “Popo Vuh” de Gordon Brotherston e Sérgio Medeiros, página 463, editora iluminuras
http://www.thereminvox.com/article/articleview/116.html
http://www.infoescola.com/artes/futurismo/
http://www.itaucultural.org.br/aplicexternas/enciclopedia_ic/index.cfm?fuseaction=termos_texto&cd_verbete=358